Dia Mundial do Coração: entenda a importância da enfermagem no cuidado cardiológico

Enfermeiros especializados na área são fundamentais para a prevenção de doenças cardiovasculares 

O coração é um órgão vital, responsável por bombear o sangue por todo o corpo; já as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no Brasil e no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. Com objetivo de chamar a atenção para um tipo de cuidado tão essencial à saúde, no dia 29 de setembro é celebrado o Dia Mundial do Coração – e a enfermagem tem papel fundamental na prevenção de agravamentos dos males ligados a esse órgão.

A enfermeira Eliana da Silva Carro Domenicali atua no Centro de Diagnóstico do Hospital Samaritano Paulista em São Paulo (SP) e trabalha no setor há nove anos. Especializada em Cardiologia, ela conta que o trabalho da enfermagem requer atenção e empatia durante o processo de diagnóstico. Responsável por gerenciar uma equipe de 14 técnicos, a enfermeira acredita que o cuidado e a escuta são pilares fundamentais para oferecer um bom atendimento ao paciente. 

“Lidamos com pacientes eletivos e de emergência também – e gerenciar a ansiedade deles antes e durante a realização de um exame é fundamental para que o paciente se sinta confiante e confortável com o procedimento. Às vezes os pacientes não têm entendimento do quadro, da importância do exame e por vezes ficam reativos, inseguros; e o nosso papel é conversar, instruir e acalmar, sempre em prol da segurança e do cuidado”, conta Eliana. 

Segundo Eliana, o setor de diagnóstico é bastante dinâmico e amplo, já que atende o setor de Pronto-Socorro, Unidade de Internação e Unidade de Terapia Intensiva do hospital. “Gerenciamos todas as agendas de exame, encaixes, solicitações de exames, a supervisão da equipe de enfermagem, suporte à equipe de biomédicos e tudo que envolve a unidade. A responsabilidade é imensa, mas é gratificante quando recebemos feedbacks de pacientes satisfeitos e felizes com o atendimento em um momento de dúvida e incerteza”, diz.

Com a alta demanda e rotatividade de pacientes, Eliana busca abordagens diferentes para lidar com cada paciente para que todo o procedimento seja compreendido da melhor maneira possível. “Quando o paciente chega, analisamos as condições dele junto à equipe de anestesia para que não ocorra reação (de contraste, por exemplo) ou intercorrência durante o processo. Buscamos entender como está o estado emocional dele e essa sensibilidade é fundamental para a atuação no setor”, afirma ela. 

“A enfermagem é fundamental para qualquer setor, pois é ela quem está beira-leito 24 horas, prestando assistência desde a triagem, durante um exame ou na hora da alta. A cardiologia é uma área que pede muita capacitação, estudo e dedicação constante. E nosso maior desafio é orientar os pacientes em relação à importância do autocuidado e dos procedimentos necessários para serem seguidos”, finaliza.

Mais conteúdos