Enfermagem: profissão do presente e do futuro atrai atenção na pandemia

Diante da maior crise epidêmica do mundo, enfermeiros recebem olhares atentos de jovens que almejam seguir o mesmo caminho

A área da saúde ganhou destaque nos últimos anos graças ao avanço da ciência e da tecnologia. Mais recentemente, chamou a atenção de muitos devido ao enfrentamento da pandemia do novo Coronavírus – um desafio diário para os profissionais que atuam na linha de frente dessa e outras enfermidades. A árdua rotina desses heróis no combate à COVID-19 sensibilizou o mundo e conquistou olhares de quem deseja dedicar a vida aos cuidados com o próximo.

A carreira de enfermagem é uma das mais completas e integrativas na área da saúde – e tem sido a mais procurada mundialmente. Seu amplo leque de especialidades permite que os profissionais atuem em todos os ambientes clínicos – seja com crianças, idosos, vítimas de violência, traumas. Além de serem extremamente importantes no atendimento emergencial, por exemplo, os enfermeiros se colocam próximos dos pacientes e familiares, transmitindo orientação, conforto e força. 

Os enfermeiros têm acesso a informações que, muitas vezes, podem auxiliar no tratamento e diagnóstico de um paciente, tendo papel fundamental para evolução de quem se encontra vulnerável. Para o Paulo Matheus Pereira, a enfermagem pode ser traduzida em uma palavra: amor. Aos quase 34 anos, o paulista atua como técnico de enfermagem há sete. Iniciou a carreira em uma clínica geriátrica, passou pelo atendimento de pronto-socorro adulto, migrou para internação pediátrica e hoje trabalha na UTI pediátrica do Hospital Santa Helena, da rede Amil, em São Paulo. Realizado, Paulo não tem dúvida de que fez a escolha certa. 

“Além de ser uma área ampla para crescer profissionalmente, existem diversas maneiras de ajudar ao próximo, seja em clínica, hospital, emergência ou administrativo. Prestar esse cuidado é muito gratificante não só profissionalmente, mas como ser humano. Nós criamos um elo de carinho com cada paciente e os vemos quase como filhos; se estão alegres, nos alegramos também, mas se estão tristes, sofremos junto. A dedicação e sentimento de troca não tem preço”, explica Paulo.

Considerada uma profissão que ganhará ainda mais solidez no futuro, a trajetória da enfermagem é longa – e vencer as próprias limitações é uma missão para quem deseja seguir a carreira, segundo Paulo Pereira. Com o auxílio da tecnologia, o mercado ganha força e consequentemente cresce a demanda por profissionais especializados, mas é preciso além de técnica e dedicação, alerta ele.

“Atenção, cuidado e empatia são fundamentais no nosso dia a dia, além do conhecimento técnico. Às vezes não temos respostas. Ou, quando temos, nem sempre são positivas. O nosso maior desafio é demonstrar força àquelas pessoas, e trabalhar o psicológico é fundamental para levantar a cabeça diariamente e seguir com disposição e afeto. Fazemos o possível e impossível para ser a diferença na vida daquelas pessoas. E cada evolução é uma vitória para todos nós”, finaliza o enfermeiro.

Mais conteúdos